Matão a frente do seu tempo

Matão a frente do seu tempo

Matão é uma cidade rodeada de belezas naturais e também é um dos berços do agronegócio brasileiro, fatores que influenciam no progresso do município. Mas, para que a condição de vida de cada um dos matonenses seja cada vez melhor é preciso cuida não somente do avanço econômico, mas também sócio ambiental. E, é pensando em melhorar as condições de vida dos matonenses que a CMS – Companhia Matonense de Saneamento trabalha todos os dias.

Morar em um local onde o esgoto é adequado é um dos primórdios para garantir a qualidade de vida e condições de higiene para uma família. E, Matão é uma cidade mais do que beneficiada nesse quesito, pois quase 90% dos municípios brasileiros lutam para se adaptarem ao desenvolvimento sustentável, enquanto nossa cidade faz parte de um seleto grupo de municípios – apenas 12% que possuem esgoto doméstico tratado com alto grau de eficiência.

O esgoto domésticos que sai dos lares matonenses é direcionado à CMS, onde recebe tratamento e, é devolvido ao Rio São Lourenço como água cristalina, após remoção de 98% das impurezas.

 É através de tubulações que esse esgoto chega até a ETE. Ao chegar a CMS o material passa por uma concepção de processos biológicos anaeróbios e aeróbios, através de uma das tecnologias mais modernas mundialmente. As etapas proporcionam o tratamento de 100% do volume de esgoto gerado na cidade, em uma área de apenas 25 mil metros quadrados, podendo atender uma população de até 106 mil habitantes, correspondente a uma vazão média de 250 litros por segundo, com mais de 95% de eficiência na remoção de matéria poluidora.

Saneamento básico – um direito de todos nós

No Brasil o cenário é diferente, o saneamento básico é um direito assegurado pela Constituição e, é definido como um conjunto de serviços que englobam infraestrutura e instalações operacionais de abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza e drenagem urbana, manejos de resíduos sólidos e de águas pluviais. Estas medidas tem como finalidade preservar ou modificar as condições do meio ambiente visando a prevenção de doenças e promovendo a saúde, melhorando assim, a qualidade de vida da população e a produtividade de cada um, sendo um viés mais do que significativo como indicador do crescimento econômico de cada cidade, Estado ou País.

O saneamento básico é um dos princípios essenciais para um País ser considerado desenvolvido. Os serviços de água tratada, coleta e tratamento dos esgotos levam à melhoria da qualidade de vidas das pessoas, sobretudo quando se trata dos cuidados em relação à saúde das crianças com redução da mortalidade infantil, melhorias na Educação, na expansão do Turismo, na valorização dos imóveis, na renda de cada trabalhador, na despoluição dos rios, na preservação dos recursos hídricos e do meio ambiente como um todo.

 Segundo estudos do BNDES estima-se que 65% das internações em hospitais de crianças com menos de 10 anos sejam provocadas por males oriundos da deficiência ou inexistência de esgoto e água limpa, que também surte efeito no desempenho escolar, pois crianças que vivem em áreas sem saneamento básico apresentam 18% a menos no rendimento escolar.

Enquanto Matão é uma referência positiva e um exemplo a ser seguido no tratamento de esgoto e em saneamento básico, no Brasil o cenário é outro, mesmo com o avanço desses serviços, o número de indivíduos no País que ainda não possui acesso a eles é enorme, e o desafio da universalização é cada vez maior. Segundo dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), ano base 2015, 35 milhões de brasileiros não têm acesso à água tratada e mais de 100 milhões não são contemplados com coleta de esgoto.

Números, cuidados e saúde.

Serviços de água potável, coleta e tratamento de esgoto quando carentes criam um ambiente que propicia o desenvolvimento de doenças como a diarreia, hepatite A, verminoses, como a esquistossomose, entre outras. De acordo com especialistas do Instituto Trata Brasil, entre as doenças frequentemente associadas à falta de saneamento básico, a diarreia costuma ser a mais citada. Geralmente, é um sintoma comum de uma infecção gastrointestinal causada por uma ampla gama de agentes patógenos, incluindo bactérias, vírus e protozoários.

 O estudo “Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da População”, um estudo realizado pelo Trata Brasil em 2013, doenças relacionadas a sistemas de água e esgoto inadequados e as deficiências com a higiene causam a morte de milhões de pessoas todos os anos, com prevalência nos países de baixa renda, 88% das mortes por diarreias no mundo são causadas pelo saneamento inadequado.

Destas mortes, aproximadamente 84% são de crianças (Organização Mundial da Saúde, 2009), sendo, segundo a UNICEF (2009), a segunda maior causa de mortes em crianças menores de 5 anos de idade. Na análise do diagnóstico do Trata Brasil, 396.048 pessoas foram internadas por diarreia; destas, 138.447 foram crianças menores de 5 anos (35% do total). Já nas 100 maiores cidades brasileiras, 54.339 pessoas foram internadas (14% do total) e 28.594 delas foram crianças entre 0 e 5 anos de idade.

As 10 cidades relatadas no estudo com maiores taxas (internação de crianças X número de internações por diarreia) foram Duque de Caxias (77,1%), Juazeiro do Norte (74,1%), Macapá (73,5%), Feira de Santana (73,3%), Belém (72,7%), Porto Velho (72,4%), Manaus (71,1%), Nova Iguaçu (68,1%), São João de Meriti (66,8%) e Uberaba (66,7%).

No Ranking de Saneamento do Instituto Trata Brasil de 2017, o município que apresentou melhor desempenho foi Franca, com 99,96%, aqui no Estado de São Paulo e o pior é Ananindeua, no Estado do Pará, com 2,09% de esgoto tratado. Matão mais uma vez está à frente do seu tempo, contrariando todos os números e estatísticas do Brasil, nossa cidade é contemplada em receber um dos melhores tratamentos de esgoto doméstico do País, realizado com excelência pela CMS. É, por isso que nossa cidade é também conhecida como a Terra da Saudade, pois se mostra mais uma vez ser referência nacional nesse quesito, além de ser um belo lugar para se morar.

Fonte : Informativo da CMS / Encartado no JCMatão
Data da Informação : 06/04/2018