CMS preserva o meio ambiente

A CMS (Companhia Matonense de Saneamento) exerce seu papel na preservação do meio ambiente de diversas formas. Primeiramente cumprindo o contrato de concessão do tratamento do esgoto e ultrapassando os limites mínimos de qualidade da água devolvida ao Rio São Lourenço, ajudando mais ainda a biótica do corpo receptor.

A empresa busca melhorias contínuas que estejam ligadas à preservação do meio ambiente. Traça metas para várias questões, como o consumo de água potável, o consumo de energia e o consumo de insumos que vêm da natureza (cal e calcário, por exemplo) e tenta alcançá-las.

Dentro do comprometimento da busca de melhorias contínuas existe a busca constante de tecnologias inovadoras que possam reduzir o consumo energético. Projetos como iluminação externa estão sendo estudados para que as lâmpadas de sódio sejam trocadas por lâmpadas de LED. Também está em pauta a troca de equipamentos por novos que demandam menor consumo energético e com uma performance de produtividade maior.

A CMS reutiliza água tratada, a água de reúso, para vários fins, como irrigação dos jardins e gramados, limpeza de equipamentos, etc. Também cumpre todos os requisitos da NBR ISO 14001:2015. Possui um levantamento geral dos impactos ambientais e tem tratativa para mitigar ou eliminar os mesmos.

Ainda colabora com a educação ambiental através de publicações na imprensa de matérias sobre a questão ambiental e abrindo-se para visitas de estudantes de todos os graus de ensino, desde o fundamental até graduandos, mestrandos e doutorandos.

A CMS deixa de dispor aproximadamente 200 toneladas por mês de resíduos em aterros sanitários. Esses resíduos são transformados em composto orgânico que é doado aos produtores rurais para ser utilizado como adubo. Essa atitude reverte em mais um ganho para o meio ambiente, visto que os produtores rurais diminuem a utilização de adubo químico que também tem em suas fórmulas elementos vindos da natureza.

Cada munícipe também é responsável pelo meio ambiente. Sendo assim, deve atentar-se para as seguintes atitudes:

- Reduzir o consumo de água potável e evitar o desperdício. Para isso deve fechar bem as torneiras de modo que não fiquem pingando, desligar o chuveiro enquanto lava o corpo, desligar a torneira enquanto lava os utensílios, etc. Deve também reutilizar a água de máquinas e tanquinhos de lavar roupa para limpar quintais e calçadas;

- Diminuir o consumo de energia, não deixando luzes acesas sem necessidade, não deixando o carregador de celular plugado sem estar com ele conectado para carregar, juntar boa quantidade de roupas para passar, trocar as lâmpadas da residência por lâmpadas de LED, etc;

- Não jogar resíduos gordurosos na linha de esgoto sanitário;

- Não jogar resíduos sólidos na linha de esgoto;

- Separar os resíduos sólidos para serem utilizados como recicláveis, por exemplo plástico, papelão, etc;

- Reciclar resíduos orgânicos, como pó de café, cascas de frutas e legumes para transformá-los em adubo orgânico para hortas e até mesmo flores.

 

Sobre a CMS

 

A CMS foi fundada em 22 de novembro de 2002, quando foi assinado o contrato de concessão. Investiu mais de R$ 18 milhões  na construção da ETE, uma das mais modernas do Brasil.  Opera desde 2005 tratando o esgoto doméstico de Matão numa área de 25 mil metros quadrados, capaz de atender uma população de até 110 mil habitantes.

O tratamento combina processos biológicos anaeróbios e aeróbios, uma das tecnologias mais modernas disponíveis atualmente, que permite tratar 100% do esgoto recebido (450 litros por segundo) com mais de 98% de eficiência na remoção de matéria poluidora.

Dessa forma, o esgoto tratado é lançado ao Rio São Lourenço com parâmetros de qualidade superiores aos legalmente exigidos, garantindo a biota (fauna,  flora e peixes antes em extinção no Rio) e assegurando a saúde  e o bem-estar da população.

O bom desempenho da ETE é garantido pelo seu sistema totalmente automatizado, onde técnicos especializados monitoram 24 horas por dia o funcionamento de todos os equipamentos que compõem o processo de depuração da matéria orgânica presente no esgoto.

Além disso, a CMS conta com o apoio de laboratórios externos, especializados e credenciados que, juntamente com as análises internas, comprovam o atendimento aos requisitos da concessão e aos requisitos legais, como Cetesb e Ministério da Agricultura.

 

Fases do tratamento

 

Inicialmente, todo o esgoto que sai das casas é coletado e transportado até a CMS por meio de estações elevatórias.

Ao chegar à ETE, uma grade automática retém, imediatamente, os materiais grosseiros, como garrafas, pedaços de madeira e plástico.

Em seguida, o esgoto é bombeado até o setor de tratamento preliminar, onde é feita a retirada de materiais finos, areia e materiais gordurosos, como óleos e graxas. Esse material é descartado em aterros sanitários, e o esgoto é direcionado aos reatores anaeróbios.

Com um sistema totalmente biológico, os reatores anaeróbios trabalham com micro-organismos presentes no esgoto que não necessitam de oxigênio para sobreviver, e se alimentam da matéria orgânica decompondo os poluentes em mais de 70%, e formando a manta de lodo conhecida como biomassa.

Os novos micro-organismos mantêm o ciclo do processo e desta decomposição é gerado o gás metano, o biogás. Esse é queimado, eliminando qualquer incidência de odores, um dos diferenciais da CMS.

Em sua próxima fase nos tanques de aeração, o sistema biológico se mantém mas agora com micro-organismos que precisam de oxigênio para sobreviver. Com condições ideais, tecnologia e uma oxigenação perfeita por todo o tanque, os micro-organismos decompõem a matéria orgânica residual da fase anterior, elevando o percentual de decomposição dos poluentes para valores acima de 98.

Nos decantadores ocorre a separação do líquido residual da biomassa, proveniente da etapa anterior. A biomassa, por ser mais densa, se deposita no fundo do tanque e a parte líquida do esgoto já tratada verte pelas canaletas, onde é encaminhada para a desinfecção.

Na última etapa do processo, o esgoto tratado é submetido à desinfecção para que os micro-organismos causadores de doenças sejam eliminados.

O resultado é o esgoto tratado, água livre de impurezas, que pode ser vista cristalina no espelho d’água, com um percentual de oxigênio acima do exigido pelas leis ambientais e do próprio Rio São Lourenço que a recebe.

 

 

 

 

Fonte : Informativo da CMS / Encartado no JCMatão
Data da Informação : 14/12/2018

Fotos da Informação