Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Esgoto contaminado polui Rio São Lourenço

O Rio São Lourenço é mais uma vez palco de exposição de um desastre ambiental. Na terça, 5, um despejo irregular contaminou o rio com resíduos tóxicos. O descaso é constantemente provocado por empresas e indústrias, que, com pretensão de economizar com a destinação correta de seus esgotos, acabam por despejar esses líquidos contaminados na rede de esgotamento doméstico.

O descarte da semana passada se prolongou por quase 40 minutos e apontou a presença de elevada concentração de carga orgânica, mensurada pela DQO (Demanda Química de Oxigênio) em 922 mg/L, quando o normal para esgoto sanitário seria o máximo de 400 mg/L. Esse material acaba por inibir a capacidade natural de oxigenação da água, e ocasiona a morte de peixes e outras espécies que povoam o ecossistema do rio.

É preocupante e triste assistir tamanho descaso com o meio ambiente e verificar que a frequência desses atos irresponsáveis tem aumentado constantemente. No momento que cai no rio, esses esgotos industriais e empresariais contaminam intempestivamente toda a água com grande descarga de metais pesados, óleos, derivados de petróleo, solventes e outros elementos nocivos que criam uma mousse tóxica (espuma) na superfície do rio.

Estação de Tratamento

 Matão conta hoje com uma das melhores empresas de tratamento de esgoto sanitário da América do Sul. Uma vitória alcançada por poucas cidades brasileiras. A Companhia Matonense de Saneamento – CMS – registra índice de eficiência de remoção de carga orgânica de mais de 98%, o que significa que o esgoto da cidade que passa por tratamento é devolvido ao São Lourenço como água limpa, devidamente adequada para manter os ecossistemas do rio. Para alcançar tamanho grau de excelência, o tratamento é feito com microorganismos vivos que se alimentam de compostos orgânicos encontrados no esgoto sanitário, minimizando impactos ambientais. Motivo de grande orgulho para a cidade.

Mas, nem mesmo a tecnologia de ponta da CMS é capaz de frear o desastre ambiental que essas indústrias e empresas têm causado a Matão. Ao invadir o encanamento de esgoto doméstico, esses poluentes industriais chegam à Estação de Tratamento de Esgoto e exterminam os microorganismos responsáveis pela limpeza do esgoto doméstico de Matão, depois vão diretamente para o leito do rio, inviabilizando um trabalho sério e progressivo rumo à eficiência ecológica da cidade.


Fonte : http://jcmatao.com.br
Data da Notícia : 15/09/2017

Últimas notícias