Fotógrafo argentino captura luz rara de estrela e cientistas publicam estudo

O fotógrafo argentino e astrônomo amador Víctor Buso capturou na sorte a primeira luz óptica de uma estrela supernova; e, com a imagem, cientistas da Universidade de Berkeley, na Califórnia, publicaram estudo na "Nature" nesta quarta-feira (21).

Essa luz ocorre quando uma onda de alta pressão no interior da estrela atinge o gás em sua superfície a uma temperatura muito alta.

Como a explosão é rápida e aleatória, cientistas não tinham capturado o evento até então, disseram os pesquisadores.

"Astrônomos profissionais estão há muito tempo buscando um evento desse tipo", disse Alex Filippenko, astrônomo em Berkeley, em nota.

"Os dados são excepcionais", acrescentou. "Este é um excelente exemplo de uma parceria entre astrônomos amadores e profissionais".

O argentino que tirou as fotos é astronômo amador e, na hora das imagens, fazia testes com uma nova câmera.

Ele associou o aparelho a um telescópio de 16 polegadas e conseguiu tirar uma série de fotografias da galáxia NGC 613, que fica a cerca de 80 milhões de anos-luz da Terra.

Os dados que ele conseguiu permitiu captar a estrutura da estrela antes do seu desaparecimento. Cientistas conseguiram também identificar as circunstâncias da explosão.

Ele passou as imagens para o Instituto de Astrofísica de la Plata, na Argentina e a pesquisadora Melina Bersten entrou em contato com um grupo internacional de astrônomos.

Em Berkeley, a equipe de Filippenko monitorou a mudança de brilho da estrela ao longo de dois meses.

Combinando os dados do fotógrafo com modelos teóricos. eles identificaram que a explosão era de uma estrela maciça, com massa de cerca de 20 vezes a do Sol.

A estrela antes de explodir, no entanto, já tinha perdido grande parte da sua massa -- transformando-se em uma supernova com cerca de 5 vezes a massa solar.

 

 


Fonte : g1.globo.com
Data da Notícia : 21/02/2018

Últimas notícias